Carrinho de Compras

DICAS

História 

Desde o surgimento da humanidade o homem sentiu a necessidade de amarrar um pedaço de pano ao seu pescoço. Os antigos egípcios usavam um nó particular como sinal de proteção aos falecidos. A gravata que conhecemos hoje surgiu de uma invenção croata, tanto que a palavra "cravatta" significa "algo de origem croata". 

Símbolo de Fidelidade 

"Diz a lenda que namoradas e esposas ao se despedirem de seus namorados e maridos croatas que partiam para as várias guerras, costumavam presenteá-los com lenços para que os mesmos se lembrassem delas e para dar-lhes força e coragem durante os momentos difíceis longe de casa. Significava também que estavam pensando e rezando por eles. Usando seu lenço o homem mostrava que respeitava sua escolhida. Este costume, simbolizava fidelidade a uma mulher e enfatizava esta virtude moral." 
Por volta da primeira metade do século XVII, os soldados croatas obtiveram grande sucesso em suas batalhas. Sua cavalaria se tornou famosa, e desfilou por toda Europa com seu característico acessório que se tornou símbolo de elegância entre a burguesia. 
Carlos II ao retornar do exílio trouxe à Inglaterra este acessório "moderno". Dez anos depois a gravata era utilizada em toda Europa e em várias colônias do continente americano. 

Depois, durante a Revolução Francesa gravatas pretas eram utilizadas como sinal de protesto. 

Em 1925 o gravateiro "Jesse Langdorsf" patenteou uma gravata comprida, menos enrugada e mais estável, dando origem a gravata que conhecemos hoje, confeccionadas com três pedaços de tecido e cortadas ao viés. 

Outra fonte histórica dá conta que a gravata surgiu na corte de Luís XIV, o Rei-Sol. 
Vaidoso, o monarca francês encantou-se com o efeito de um pedaço de cambraia branca usada em volta da gola dos uniformes dos soldados croatas acampados nos arredores de Paris. 
Luís XIV mandou que o alfaiate da corte adaptasse um pedaço fino de pano branco à gola de seus uniformes. O povo francês gostou da inovação e a aprimorou: e, ao invés de usá-la aberta sobre o peito, amarrou-a em volta da gola. 

Mesmo com tantas historias o importante é que hoje desfrutamos desde belo acessório, que nos confere elegância e respeitabilidade.

Historia1                                     Historia2

topo



Moda

Recebeu o convite de um evento e não sabe que roupa usar? 

- Passeio Completo ou Social: Um traje mais formal, para mostrar aos seus anfitriões que se sente honrado pelo convite. Use terno ou costume de cor única, preferencialmente escura com camisa social sem botões externos no colarinho e gravata discreta. Mantenha o paletó abotoado, deixando apenas o ultimo botão aberto. Prefira os cintos de couro mais estreitos e sapatos de cadarço. 

- Passeio, Esporte Fino, Tenue de Ville ou Recepção: Mais sofisticado que o esportivo e menos que o social - (Tenue de Ville significa roupa para cidade). Geralmente utilizado em vernissages, teatros, conferências e outros eventos que tenham início no final da tarde. Use costume (Blazer) de preferência, mas utilize uma camisa mais esportiva e informal. 

- Esporte: Mais casual e simples. Comum em almoços e encontros informais com amigos e família. Nada de usar roupas para prática de esportes - shorts, regata, bermuda de lycra, deixe tudo para usar na academia e no futebol com os amigos. Use calças de brim, gabardine, sarja e até mesmo jeans com camiseta tipo pólo ou camisa básica esporte. Se o clima pedir, utilize um kaban? para se aquecer. 

- Traje Black-Tie, Tenue de Soirée ou Rigor: Uma noite de gala! Prepare o clássico smoking, com uma bela camisa branca e gravata borboleta. Caso o evento seja durante o dia (quente) utilize smoking com paletó branco (Summer). Nos casamentos mais requintados o noivo e os padrinhos podem usar também o fraque ou meio-fraque. Nos casamentos a rigor o noivo pode vestir a casaca, mais só em acontecimentos muito refinados. 

- Como combinar gravata, camisa e paletó? 
O mais importante é valorizarmos todas as peças do conjunto paletó, camisa e gravata. Para isso utilize tons diferentes uns dos outros (mais claros, mais escuros) e de preferência com um toque de outra tonalidade. Evite: Terno preto, camisa preta e gravata preta que fará com que todas as peças se tornem uma só, desvalorizando-as. 
- Você sabe a que altura deve utilizar a gravata? 
É muito importante ao finalizar o nó olhar para a ponta da gravata e verificar que sua ponta está na altura da fivela do cinto ou na altura do cós da calça. 

- Você sabia que uma gravata pode influenciar na primeira impressão de uma pessoa? 
É verdade. Em determinadas situações, evite gravatas muito coloridas e estampadas, prefira as clássicas e de cores únicas, pois isto ajuda a passar uma imagem de credibilidade, equilíbrio e elegância. 
Ao escolher uma gravata não se prenda ao velho “tom sobre tom”, expresse sua personalidade, crie o seu estilo e use aquilo que gosta.

topo




Qualidade 

Se perguntarmos a um especialista, provavelmente ele dirá que as melhores gravatas são as de seda pura e preferencialmente produzidas na Itália. São as mais caras. Mas com o desenvolvimento de tecidos mais modernos e com custo menor, podemos adquirir produtos do mundo todo, com a mais alta qualidade e extrema beleza. 

O Shopping das Gravatas produz suas gravatas com várias opções de tecidos, possibilitando ao seu cliente escolher aquela que mais lhe agrada entre uma grande variedade de modelos e cores. 

Por que a seda é tão especial? 

A seda é produzida a partir de um processo progressivo de estratificação de um fio muito fino produzido pelo bicho-da-seda. Este fio tem a finalidade de proteger a própria larva das condições climáticas adversas. 
Por estas propriedades é que o prazer incomparável da Seda sobre a pele é alcançado: o brilho, a textura, o caimento, o frescor no verão e o calor no inverno.

topo




Moda Evangélica 

A escolha pelas camisas de manga longa, gravatas e ternos mostram que, para o homem evangélico, o bom gosto e o clássico estão em primeiro lugar. Isso nos permite concluir que o que predomina, parte da premissa de que ele se veste, também como forma de representar uma elite com padrões morais, culturais e sociais bem definidos. O homem evangélico é urbano, casual, clássico e não perde a originalidade, e é acima de tudo um homem sensato que se veste transmitindo segurança e maturidade. 
Apesar da predominância do clima quente de nosso País, é comum o uso de ternos e gravatas. Mesmo entre o povo evangélico existem correntes que já adotam o uso do paletó ou blazer somente para ocasiões especiais, por entenderem que o composto, terno, paletó e gravata podem representar um desconforto, haja vista que muitas das atividades eclesiásticas são realizadas nos domingos pela manhã. Mas o que se vê não é uma abolição deste costume de se vestir e sim uma adaptação, que mantêm a forma e o registro de uma classe que se veste harmonizada e antenada com a moda atual. Isto não é um privilégio ou uma exigência da membresia e sim uma tendência cultural, assim como os profissionais de direito, os executivos e empresários que pelo rigor de suas atividades e status social, se vêem obrigados a aderir ao terno e a gravata como meios obrigatórios de se apresentarem perante seus clientes e a sociedade de uma forma geral. O homem evangélico também é diferenciado pela sua vestimenta. 
Mas tabus interessantes têm sido quebrados, e isso é muito bom, pois mostram a evolução dos hábitos nas vestimentas sem se perder a identidade, o compromisso e a postura de homens que se vestem com diferencial. Tem-se notado as modas atuais, presentes cada vez mais nesse grupo, onde, seguem-se às tendências, os tipos de tecidos mais usados e cortes modernos, tudo combinado com o compromisso que se tem de um padrão de moral e ética que lhe são exigidos. Afinal mesmo sendo evangélicos eles estão inseridos na sociedade atuando como profissionais liberais nas mais diversas áreas, no meio político, na classe artística, como empresários e sabem se distinguir e até inovar mas sempre combinando beleza, classe e serenidade. 

Anderson Dos Reis Aurora

topo

 

Nós de Gravata


-> FOUR IN HAND

Também conhecido como Simples ou Esportivo. Possui um visual mais descontraído. É utilizado para colarinho mais estreitos e golas pouco pontudas.

Four1

1 - Deixe a ponta fina mais curta que a ponta grossa e passe uma por cima da outra, cruzando. (Fique atento ao comprimento no inicio do nó, pois ele te auxiliará na definição do tamanho da gravata no seu corpo) 

Four2

2 - Com a ponta grossa, dê uma volta por trás da ponta fina. 

Four3

3 - Continue sua volta, agora pela frente, como se estivesse cobrindo o nó. 

Four4

4 - Dando um looping entre a gravata e o colarinho, passe a ponta mais grossa por trás. 

Four5

5 - Agora, dentro da volta que fez para cobrir o nó da gravata, envie a ponta mais grossa. 

Four6

6 - Utilizando as duas mãos dê uma ajeitadinha e puxe-o até o colarinho. Está pronto o seu Four in Hand!


Se o seu nó não ficar 100%, não desanime, as primeiras tentativas são um pouco complicadas. Mas com um pouco de treino ficará ótimo. 

topo


-> HALF WINDSOR

Também conhecido como nó de gravata Duplo ou Semi-clássico. Indicado para as camisas de colarinho padrão, nem largo nem estreito. É um nó adequado para gravatas de seda estampada ou de outro tecido leve como o poliester estampado. 

Half1

 1 - Deixe a ponta fina mais curta que a ponta grossa e passe uma por cima da outra, cruzando. (Fique atento ao comprimento no inicio do nó, pois ele te auxiliará na definição do tamanho da gravata no seu corpo) 

Half2

2 - Com a ponta grossa, dê uma volta por trás da ponta fina. 

Half3

3 - Suba a ponta grossa. 

Half4

4 - Envie por trás, entre o colarinho e a gravata, enrolando o lado direito(mais grosso) da gravata. 

Half5

5 - Dê uma volta de sua esquerda para direita, como se estivesse cobrindo todo o nó. 

Half6

6 - Passe-o novamente por baixo(como um looping), passando entre o colarinho e a gravata. 

Half7

7 - Agora, dentro da volta que fez para cobrir o nó da gravata, envie a ponta mais grossa. 

Half8

8 - Utilizando as duas mãos dê uma ajeitadinha e puxe-o até o colarinho. Está pronto o seu Half Windsor!


Não desanime se ele não ficar 100%, as primeiras vezes são um pouco complicadas. Mas com um pouco de treino ficará ótimo. 

topo

-> WINDSOR

Também conhecido como Clássico ou Windsor. É o nó mais "gordinho" de todos. Utilizado em camisas com colarinhos largos, onde a distância entre as duas pontas é grande ou ainda em gravatas de tecidos mais leves. 

Windsor1

1 - Deixe a ponta fina mais curta que a ponta grossa e passe uma por cima da outra, cruzando. (Fique atento ao comprimento no inicio do nó, pois ele te auxiliará na definição do tamanho da gravata no seu corpo) 

Windsor2

2 - Passe a ponta mais grossa por trás da mais fina e depois passe pela frente como se estivesse enrolando(dando um looping) o seu lado direito(que é a parte mais fina). 

Windsor

3 - Passe agora a ponta grossa por trás, enviando por dentro do colarinho e enrolando desta vez sua lateral esquerda(que é a parte mais grossa). 

Windsor3

4 - Dê uma volta de sua esquerda para direita, como se estivesse cobrindo todo o nó. 

Windsor4

5 - Passe-o novamente por baixo(como um looping), passando entre o colarinho e a gravata. 

Windsor

6 - Agora, dentro da volta que fez para cobrir o nó da gravata, envie a ponta mais grossa. 

 


7 - Utilizando as duas mãos dê uma ajeitadinha e puxe-o até o colarinho. Está pronto o seu Windsor! 

Se o seu nó não ficar 100%, não desanime, as primeiras tentativas são um pouco complicadas. Mas com um pouco de treino ficará ótimo.

 topo